terça-feira, 15 de janeiro de 2013

TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE IRIDOLOGIA Defina Iridologia: A Iridologia é uma ciência, uma técnica onde é possível detectar várias problemáticas orgânicas, físicas e emocionais que perturbam as pessoas. A descoberta destas perturbações e também enfermidades é feita através da análise detalhada da íris onde podemos observar, através de traços, linhas, manchas e descolorações que afetam a trama da íris. Defina Holismo: Holismo, ou Visão Holística, é a visão do ser humano em um Todo, ou seja, nas formas físicas, mentais, emocionais, espirituais, em conjunto; é a maneira de tratar o ser humano nestas formas. Defina a Lei de Hering e seu significado: A Lei de Hering diz que: “A doença afasta-se do corpo do seguinte modo: de cima para baixo, de dentro para fora, dos órgãos mais importantes para os menos importantes e pela ordem inversa do seu aparecimento”. O sucesso do tratamento acontece quando a doença afasta-se dos órgãos importantes e aparecem nos órgãos que estejam em uma posição inferior na escala hierárquica. Quais as zonas da Iridologia? 1) Estomago; 2) Intestinos (grosso e delgado); 3) Coração, brônquios, pâncreas, glândulas suprarrenais, pineal, hipófise, vesícula biliar; 4) Útero, próstata, esqueleto (ossos); 5) Cérebro, pulmão, fígado, baço, rins, tireoide e demais órgãos e tecidos; 6) Músculos, inervação motora, sistema linfático, vasos sanguíneos (artérias e veias); 7) Pele, nervos sensitivos. Quais os canais de eliminação? 1) Intestino Grosso; 2) Pele; 3) Sistema Urinário; 4) Sistema Linfático; 5) Sistema Respiratório. Quais os sistemas da Iridologia?  Sistema Nervoso: cérebro, medula, gânglios, plexos e fibras nervosas periféricas;  Sistema Circulatório: coração, vasos sanguíneos e linfáticos, sangue e linfa;  Sistema Endócrino: Pituitária, pineal, tireoide, paratireoide, suprarrenais, ovários, testículos e ilhotas de langerham;  Sistema Digestivo: fígado, pâncreas, tubo digestivo e glândulas acessórias;  Sistema Respiratório: pulmões, brônquios, traqueia, faringe e nariz;  Sistema Excretor: rins, ureteres, bexiga e uretra;  Sistema Reprodutor: testículos, pênis, uretra, próstata, ovários, útero, vagina, vulva, trompas de falópio;  Sistema Ósseo: ossos, tecidos conjuntivos e juntas;  Sistema Muscular: músculos;  Pele Classifique todos os anéis da Iridologia e defina-os. Os anéis de estresse ou nervosos estão indicados por uma espécie de arco colocado em forma concêntrica na circunferência da íris. (Jensen) Os anéis variam do branco ao mais escuro e podem ser contínuos ou denteados. Quando em direção à periferia e da forma contínua (sem interrupções) menor gravidade. Quando interrompidos e/ou caídos significa que o órgão local está irritado com sintomas mentais e toxinas na zona do corpo. Anéis Nervosos: Sintomas:  Ansiedade;  Tensão projetada nos tecidos;  Resistência e restrição “a circulação sanguínea e nervosa”;  Contrações neuromusculares;  Somatização. Tipologia, Número de anéis, Irregularidade e Profundidade: As pessoas que possuem este tipo de íris com sulcos nervosos, são hiper frenéticas e realizadoras compulsivas, vivem em estado de ansiedade constante. A pessoa já nasce com esta constituição, portanto a presença dos anéis é permanente. Próprio da geração moderna, adolescentes e crianças apresentam tais sinais por heranças genéticas e transferência desde a gestação não só geneticamente falando como circunstanciais ao período. Número de anéis: a presença de um ou dois indicará espasmos moderados; de três a quatro, espasmos importantes e mais de quatro – tendência espasmódica com problemas de saúde consideráveis. Quanto maior a irregularidade, maior a tendência a contrações e quanto mais profundas e escuras, mais crônicos com maior desequilíbrio do órgão em si. Grau de Fragmentação: a fragmentação é um diagnóstico ruim já que os anéis nervosos numerosos e muito fragmentados indicam uma tendência à desorganização neurovegetativa, ou seja, de suas funções involuntárias como a circulação, secreção, excreção. Os problemas se apresentam exatamente onde tais anéis se rompem. Quando se cortam muitos anéis em uma mesma zona, implica uma grande congestão da área afetada. Anéis nervosos na zona do cérebro (1h/11h): Estes anéis representam estados psíquicos alterados, insônia, nervosismo, inquietação, fobias e pensamentos incontroláveis. Ansiedade com restrição do suprimento nervoso e sanguíneo, podendo significar estado neuromuscular deficiente. Manifestações orgânicas e digestivas: Experimentam diferentes problemas no sistema reprodutor e digestivo. Com problemas no gerenciamento do estresse o que provocará espasmos digestivos e úlcera gástrica. Se os anéis são parciais em um só setor indicam tendência a espasmos dolorosos do órgão correspondente. Contração da zona do Estomago e da pupila com anéis de estresse e mancha psórica: gastrite nervosa e com mancha psórica, úlcera doe estomago. Classifique todas as lacunas e defina-as. Lacuna significa buraco; quando vemos uma lacuna na íris entendemos que existe um problema ou existiu um problema naquela área correspondente ao corpo. Podemos avaliar o estágio da lacuna por sua cor e profundidade.  Lacuna Aberta: Abertura do tecido iridal saída de material tóxico sai para pele ou intestino. Desequilíbrio ativo ou progressivo no qual humores vitais estão atuando, tornando a lesão mais fácil de ser curada. Representação de um estágio agudo.  Lacuna Fechada: Onde a doença está em seu processo completo, pois indica um encapsulamento de toxinas e material mórbido no tecido, indicando um estágio crônico e único de degeneração do tecido. Tanto lesão aberta ou fechada pode ser inerente à constituição genética.  Lacuna Asa de Borboleta: Quando temos 3 ou 4 lesões ou mais, lesões amendoadas e juntas. Encontra-se nas áreas que representam tecido de glândula, isto é, pâncreas, paratireoide, próstata, etc.  Lacuna Ponta de Lança: Também conhecida como “cripta” pelos iridologistas americanos, considerada como precursora de “lacuna de aspargo”.  Lacuna Torpedo: As grandes indicam instabilidade celular hereditária. Os iridologistas europeus as consideram possíveis sinais de tumoração, dependendo da sua cor e profundidade.  Lacuna Escada: Considerada como sinal pré-canceroso.  Lacuna Telha: O mesmo que lacuna escada.  Lacuna Favo de Abelha: Sinal de desequilíbrio endócrino ou atrofia orgânica. Debilidade de órgão com nutrição alterada; ocorrendo no pulmão, indica respiração interna deficiente e desenvolvimento de uma cirrose.  Lacuna Aspargo: Esta é considerada como um verdadeiro vilão pelos iridologistas europeus. É um sinal clássico para o câncer.  Lacuna Romboide: Esta lacuna, quando encontrada na área cardíaca (três horas na íris esquerda), indica debilidade cardíaca congênita. Os iridologistas americanos se referem a ela como o “diamante clássico do coração”. Em geral é considerada como um sinal de debilidade orgânica. Predisposição hereditária a prolapso da válvula mitral.  Lacuna Pera: Os iridólogos europeus dizem que é uma tendência para o câncer, é o precursor da lacuna aspargo.  Lacuna Folha: Sempre frequente mostra a predisposição a cistos e tumores benignos.  Lacuna Medusa: Encontrada sempre nas regiões dos pulmões e dos rins, indica herança genética de tuberculose nos dois órgãos, quem tem estas marcas tem muita alergia e processo crônicos proveniente de uma alimentação.  Lacuna Sapato: deficiência, insuficiência orgânica independente da localização na íris. Classifique item por item da Área Mental e faça uma rápida definição. Área Mental: o centro holístico do ser humano. Áreas específicas do cérebro na visão iridológica. Representação Esquemática das Áreas do Cérebro: Bernard Jensen mapeou a área cerebral em:  Cérebro Psicológico/Motor: está relacionado às áreas que expressam as aquisições cerebrais mais recentes, mais elaboradas, relacionadas aos níveis mais elevados da psique. Adquirido.  Cérebro Fisiológico/Sensório: relaciona-se com as funções de manutenção do instinto básico de vida, como o sistema cardiovascular e respiratório. Inerente. TÓPICOS DA ÁREA MENTAL VITALIDADE Localizada ‘às 12hs, região central do mapa’. Esta área funciona como o centro de integração psicossomática, rege a energia que nutre a vida, fornece equilíbrio ao tônus nervoso e emocional e rege o equilíbrio neuroendócrino do organismo. Integração entre corpo e psique (a sede da alma). Anatomicamente relaciona-se com:  Córtex cerebral;  Hipotálamo;  Hipófise. ÁREA DA VITALIDADE EM DESEQUILÍBRIO:  Cansaço;  Desânimo;  Preguiça;  Melancolia;  Indiferença;  Depressão;  Tendência ao suicídio;  Auto exigência, perfeccionismo. Exceder os próprios limites tanto físicos, quanto emocionais e mentais. Alterações no sono e sonhos. Sinais que afetam a área da Vitalidade (manifestados na região):  Radis Solaris;  Manchas psóricas;  Rosário linfático;  Bolsões intestinais. CENTRO DA ZONA VITAL Esta área é representada pelo hipotálamo, parte do cérebro que domina as energias físicas e emocionais, bem como, do metabolismo orgânico. Qualquer diferença de tonalidade, lacunas e sinais podem influenciar no funcionamento do hipotálamo e posteriores desordens emocionais. A área mental normalmente é afetada pela toxidade dos principais órgãos de eliminação como: rins, pulmões, fígado, sistema digestivo, sistema linfático e pele. Diferenças de coloração, manchas, Radis Solaris e lacunas definem o desequilíbrio físico e psicológico da área mental. Localizados entre 11hs e 1h. POLARIDADE VITALIDADE – PERNAS (12HS/06HS) O eixo da Vitalidade-Pernas quando em desequilíbrio vem por reforçar a dificuldade de estruturação tanto emocional quanto orgânica da qual a pessoa está vivenciando. Este eixo rege a integração entre as energias mais sutis e as energias mais densas entre o mundo analítico e o mundo instintivo (de sobrevivência). Psicologicamente falando a pessoa pode estar vivenciando um grande conflito entre vida idealizada e vida materializada. Um enbranquiçamento desta área pode revelar hiperatividade seguida de enxaqueca ou cabeça quente. Escurecimento, Radis Solaris, lacunas, rosário linfático e bolsas intestinais relacionados à hipoatividade da área com pré-disposição à melancolia, depressão, indiferença e exaustão. Esta região, também, está relacionada com o nosso campo de luta e com o modo pelo qual impulsionamos a nossa vida, o modo como criamos o nosso destino. É, ainda, o núcleo por onde o prana ou energia vital são inseridos em nosso corpo físico. PROCESSOS AGUDOS EM IRIDOLOGIA – a HIPERATIVIDADE Na leitura da íris, notamos o aparecimento de linhas esbranquiçadas, caso a íris seja de cor azul, ou um aumento do brilho com o aparecimento de umas linhas de cor castanho claro, caso a íris seja castanha. HIPERATIVIDADE DA ÁREA MENTAL:  Menta ativa;  Tendência à racionalização;  Agitação mental;  Comprometimento das glândulas em hiperatividade;  Enxaquecas. PROCESSOS CRÔNICOS EM IRIDOLOGIA – A HIPOATIVIDADE Na leitura ideológica, notamos o aparecimento de manchas escurecidas preenchendo áreas anteriormente por processos agudos, os raios solares se tornando mais grossos e curvos, lacunas com fundo enegrecido e acúmulo de depósitos tóxicos. HIPOATIVIDADE DA ÁREA MENTAL:  Mente negativa;  Estafa mental;  Pensamentos repetitivos;  Tendência à depressão, melancolia e indiferença;  Sistema glandular comprometido em hipoatividade. HIPOTÁLAMO: O hipotálamo, também constituído por substância cinzenta, é o principal centro integrador das atividades dos órgãos viscerais, sendo um dos principais responsáveis pela homeostase corporal. Ele faz a ligação entre o sistema nervoso e o sistema endócrino, atuando na ativação de diversas glândulas endócrinas. Tem por função manter a temperatura corporal, regular as emoções (especificamente, as partes laterais parecem envolvidas com o prazer e a raiva, enquanto que a porção mediana parece mais ligada à aversão, ao desprazer e à tendência ao riso), a fome, a sede, o sono e os ritmos biológicos. O hipotálamo, apesar do seu tamanho relativamente pequeno (do tamanho da unha do polegar) controla uma série de funções vitais. No Sistema Autônomo, o hipotálamo estimula os músculos lisos (vasos sanguíneos, estomago, intestino) e recebe impulsos sensoriais dessas áreas. Também apresenta importante papel na regulação de hormônios, temperatura corporal, glândulas adrenais e muitas outras atividades vitais. O hipotálamo é o intermediário do cérebro em traduzir as emoções em respostas físicas. Quando sentimentos intensos como raiva, medo, prazer e excitação são gerados na mente, o hipotálamo envia sinais para as mudanças fisiológicas através do sistema nervoso autônomo e através da liberação de hormônios da glândula pituitária. Sinais físicos de medo ou excitação como aumento dos batimentos cardíacos e respirações ofegantes são gerados no hipotálamo. A glândula pituitária responde a sinais do hipotálamo na produção de hormônios, muitos dos quais regulam a atividade de outras glândulas: o hormônio tireoide-estimulante, o hormônio adrenocorticotrófico, prolactina e hormônios sexuais folículo- estimulante (FSH) e luteinizante (LH). A glândula pituitária também produz muitos hormônios com efeitos gerais: hormônio de crescimento (GH), hormônio melancólico estimulante e o neurotransmissor dopamina. A pineal fica localizada no interior do cérebro e produz a melatonina, um hormônio que pode influenciar a função dos ovários e testículos e também pode ajudar a controlar os padrões de sono e vigília de um indivíduo. A Lacuna Borboleta normalmente aparece em locais representados por tecido de glândula (pineal, pâncreas, adrenal, paratireoide, próstata, etc.). Significado: desequilíbrio glandular com hipo ou hiperfunção da glândula em si. No mapa iridológico a glândula pineal está localizada ao lado do hipotálamo e representa, também, o centro do sono. A melatonina, antioxidante que regula o ciclo do sono e seu despertar, apoia ainda o sistema imunológico e desempenha um papel importante no metabolismo do cálcio. Radis Solaris, Manchas, Fibras separadas e Lacunas revelam a debilitação desta glândula. BULBO OU MEDULA: Localizada ‘às 11hs da íris direita’ e ‘1hda íris esquerda’. O bulbo pertence ao tronco encefálico ligado ao sistema nervoso central. Desequilíbrios na área da Medula (Bulbo):  Tensão respiratória;  Resfriados;  Circulação arterial e venosa debilitada;  Respiração fraca e deficiente;  Catarros. Na área mental, a região da Medula é conhecida como o centro respiratório do sistema, controla as funções cardíacas, respiratórias, pressão arterial e funções motoras da salivação, tosse, soluço, espasmos e vômitos. Essas funções são de fundamental importância na sobrevivência e no equilíbrio das funções vitais. SEXUALIDADE MENTAL – próximo de 11hs na Iris Direita. Relaciona-se com:  Hipotálamo;  Sistema Límbico;  Glândula Pituitária (A glândula Pituitária responde a sinais do hipotálamo na produção de hormônios, muitos dos quais regulam a atividade de outras glândulas). Tendências:  Diminuição da libido;  Ninfomania;  Perversão;  Violência;  Vaidade;  Egoísmo;  Irritabilidade;  Fadiga;  Competitividade em excesso. Esta área, também, está relacionada à atração e repulsão sexual, receptividade, reprodução e preservação da sexualidade. Sinais brancos indicam estados mentais fantasiosos. Sinais amarelos/amarronzados podem indicar uma supressão dos instintos sexuais (vivenciados por desilusões, fantasias e alucinações) das quais não se permite realizar. Quando a polaridade (sexualidade mental/útero-próstata) está bem estabelecida (tons claros ou escuros) conflito entre escolha e direção dos impulsos sexuais. Lesões podem significar a dificuldade em controlar seus impulsos sexuais levando a promiscuidade. MENTE INATA: ZONA DA ANSIEDADE – localiza-se entre 11/12hs na íris direita e 12/1h na íris esquerda. Relaciona-se com:  Instinto de sobrevivência;  Força de vontade;  Imitação social (identificação com grupos);  Emoções;  Concentração;  Reação à pressão social. Em desequilíbrio:  Alucinações;  Impaciência;  Melancolia;  Indecisão;  Dispersão;  Confusão mental;  Submissão;  Auto condenação. EMOÇÕES e EIXO HIPOTÁLAMO-HIPOFISÁRIO-SUPRARENAL: As emoções compreendem nossos sentimentos e estados de ânimo, bem como sua expressão e condutas motoras e as respostas do Sistema Nervoso Autônomo e Endócrino. As reações emocionais neurovegetativas inatas são próprias da espécie e tem uma importante função adaptativa. As reações emocionais neurovegetativas adquiridas resultam das primeiras experiências e necessidades de adaptação dos recém-nascidos em sua inter-relação com o meio. De âmbito geral, a ansiedade é gerada por uma condição estressante que acarreta alterações hormonais desencadeadas por um desequilíbrio do eixo HHA e HPA. Vários mecanismos são ativados quando um organismo é exposto a um estímulo estressor. A função cerebral chamada eixo hipotálamo-pituitária-adrenal, ou HPA, ajuda o corpo a se manter estável durante um evento de estresse físico ou psicológico. O chamado eixo hipotálamo-pituitária-adrenal (HPA) é responsável pela liberação do cortisol, ou hormônio do estresse. O eixo hipotálamo-pituitária-adrenal também pode intensificar fobias e ataques de pânico, onde o excesso de CRH corticotropina, provoca a superatividade cerebral. Composição do HPA ou HHA na iridologia: área da vitalidade; eixo vitalidade/pernas; glândula adrenal; glândula pineal; zona da ansiedade; anéis de estresse. E ainda verificar todas as glândulas principalmente a Tireoide. SENSÓRIO LOCOMOÇÃO – próximo das 12hs íris direita e esquerda. Localiza-se na área do córtex central. Relaciona-se com: propriocepção através do tato, sensações térmicas, pressão, tensão e movimento muscular. Polaridade: Sensório motor/adrenal/púbis. Esta área integra as funções mentais e psicológicas influenciando o controle dos movimentos. As sensações e percepções captadas pela área sensorial determinam o modo como nos colocamos no mundo. Quando anormal a pessoa pode apresentar dificuldade de coordenação motora com fadiga, gerando insegurança, medo e falta de confiança. Em desequilíbrio:  Falta de coordenação motora geral;  Exaustão;  Falta de auto percepção e do ambiente externo. ÁREA DOS CINCO SENTIDOS: Próximo das 12hs íris direita e esquerda: Localização: córtex cerebral. Relaciona-se com: visão, olfato, audição, tato e gustação no sentido sensorial. Em desequilíbrio:  Alterações relacionadas com as sensações físicas e psíquicas;  Sensualidade exacerbada;  Narcisismo;  Materialismo;  Sensibilidade aos estímulos sensoriais;  Área do prazer. PRESSÃO DO EGO: entre 12/1h na íris direita e 11/12hs na íris esquerda. Auto cobrança e auto crítica. Polaridade: Pressão do ego/apêndice(D) /Peritônio Localização: cérebro, hipotálamo e hipófise (glândula pituitária). Em desequilíbrio:  Tensão arterial elevada provocada por reações do ego. Emoções – sistema límbico;  Inveja, amargura;  Inferioridade;  Egoísmo, agressividade, temperamento difícil;  Medo e preconceito;  Abuso do poder, exploração, sarcasmo;  Ansiedade, impaciência, teimosia, impetuosidade;  Ódio, avareza. Lateralidade dos Anéis Nervosos Presença de anéis na íris esquerda:  Decepção com a vida; anulação da criança interior; embotamento do lado espiritual. Presença de anéis na íris direita:  A pessoa está neutralizando suas forças racionais ou está a agredindo. FALA ADQUIRIDA- próximo de 1h na íris direita e 11hs na íris esquerda. Zona de compreensão, da aprendizagem e da comunicação. Localização: cérebro, tálamo, glândulas pineal e pituitária. Refere-se a: linguagem – escrita, leitura, falada e aprendizado de línguas. Polaridade: fala adquirida/peritônio Em desequilíbrio:  Falta de memória;  Dificuldade de aprendizagem;  Dispersão;  Desleixo;  Desajuste social. Esta área representa o centro da comunicação no sistema mental. Determina como nos comunicamos com o meio em que vivemos. HABILIDADE MENTAL – Zona de Inteligência Criativa – 1h na íris direita e 11hs na íris esquerda. Localização: Lóbulo pré-frontal e frontal. Polaridade: habilidade mental/Pelve Relaciona-se com: inteligência, pensamento lógico, personalidade, raciocínio, movimento voluntário, memória e força de vontade. Em desequilíbrio:  Confusão, negligência;  Bloqueios mentais;  Descontrole tensão;  Frieza, crueldade;  Diálogo mental;  Pessimismo;  Insensibilidade;  Melancolia;  Irritabilidade;  Covardia moral;  Depressão. A polaridade estabelece um conflito entre vida sexual e vida espiritual e/ou emocional. ÁREA DE EQUILÍBRIO OU CENTRO EPILÉPTICO Iris esquerda – próximo de 1 hora. Localização: cerebelo. Relaciona-se com: equilíbrio, coordenação dos músculos autônomos, centro de energia dinâmica e atividade sexual. Polaridade: Equilíbrio/Ânus/Reto Em desequilíbrio:  Epilepsia;  Desmaios;  Vertigens;  Tonturas;  Respostas musculares alteradas. Esta área governa o equilíbrio entre os aspectos emocionais, mentais e físicos. Nuvens na parte periférica do sistema cerebral: Indicam uma dificuldade de desintoxicação orgânica por mau funcionamento do sistema linfático provocando: cansaço, depressão e angústia. Anel de coloração branca superior: Tendência a desenvolver arteriosclerose com sintomas como: senilidade falta de memória, angústia, desânimo e irracionalidade. Lacunas na Zona Cerebral: Tais sinais, normalmente, são provocados por deficiência circulatória e consequente degeneração dos tecidos cerebrais com problemas decorrentes como: pensamentos negativos, desalento, angústia e obsessão. O colarete e sua representação emocional: Corona Simpática Dilatada: Tendência à extroversão, dificuldade de impor limites e dificuldade em dizer não. Corona Simpática Contraída: Tendência à introversão, pessimismo e desconfiança – sempre esperando o pior da vida. Como avaliar a Área Mental? AVALIANDO A ÁREA MENTAL:  Cérebro psicológico e fisiológico – maior incidência de sinais;  Aspecto geral das áreas: estrutura das fibras;  Diferenciar incidência de sinais nas íris direita e esquerda;  Estabelecer muito bem o eixo da vitalidade;  Radis Solaris: de onde saem e onde terminam;  Lacunas: tipos;  Anéis de tensão;  Anel de colesterol;  Anel de anemia;  Diferenciar colorações;  Bolsões intestinais;  Expansão dos anéis do estômago e do colarete (sna);  Linhas radiais ou Polaridades;  Linhas adjacentes;  Rosário linfático. Observações importantes: A linha radial (polaridade) é estabelecida por esbranquiçamento e/ou escurecimento das polaridades. O grau de clareamento, os sinais iridológicos podem variar entre o branco e o preto. Quanto maior o grau de clareamento (branco), mais agudo, mais inflamado e mais dolorosa a situação do órgão afetado. Estes sinais somente aparecem de forma clara ou branca na íris azul ou cinza. Na íris marrom se reconhece estados agudos e inflamações por locais clareados, diferenciando-se do marrom da íris. Indicam Hiperatividade. Os sinais escuros expressam fraqueza, hiper excitação, função reduzida, e também atonia. A íris aparece mais escura no local e a camada do estroma é afrouxada, denominam-se sombras leves. Esses sinais não devem ser confundidos com lacunas. Os sinais escuros podem se originar na inferioridade congênita ou adquirida. Os sinais amarelo-amarronzados podem ser de origem orgânica. Os sinais pretos podem significar perda de substância do órgão afetado com suspeita de malignidade (Gunther Lindermann). Indicam Hipoatividade. Sinais diferenciados, também, estabelecem as polaridades. Exemplo: lacuna em um polo e mancha psórica em outro. O que é OPI? Defina Miose e Midriase OPI: Orla Pupilar Interna Miosi: a pupila pequena é sinal de predominância do parassimpático e caracteriza o tipo “nutritivo”, enquanto que a peristalse gástrica está em incessante movimento. Além disso, o pulso é bradicárdico, enquanto que o sistema circulatório periférico tende à constrição. O estímulo à emissão da urina e das fezes é acentuado, o impulso sexual é muito desenvolvido. Uma geral hiperestesia nervosa e uma descontinuidade psíquica, uma elevada reação da pele e dos tendões, predispõe à crise do tipo bático. Midriasi: a pupila grande, sinal de uma natureza direta preferencialmente do sistema simpático, caracteriza a pessoa doce e sensível, com tendência à taquicardia. Caracteriza moderados comilões, com peristalse gástrica e intestinal dificultosa e predisposição do trato urinário às doenças, com escassa dinâmica sexual, dotados de um sistema bronquial e pulmonar delicados. Estas pessoas incorrem facilmente em esgotamento nervoso: fobias, psicoses, manias. As anemias secundárias, que surgem em consequência da escassa nutrição, predispõem a um rápido cansaço, enfraquecimento e sonolência durante o dia. Qual a importância do colarete e a quais sistemas se relaciona. Os dois critérios importantes para o exame do colarete são: 1) Forma; 2) Estrutura. Quando falamos da forma do colarete, referimo-nos à forma da zona pupilar. Quando nos referimos a um colarete distendido, estamos na realidade descrevendo um alargamento da zona pupilar. Do mesmo modo, um colarete denteado é, na verdade, um estreitamento da zona pupilar. A distensão total revela tônus fraco dentro do trato intestinal devido à falta de inervação da musculatura. Há uma tendência à constipação crônica (atônica) e flatulência. O indivíduo é geralmente inclinado a comer em excesso e sem discriminação, no que toca à qualidade do alimento.  Colarete Distendido: A distensão total revela tônus fraco dentro do trato intestinal devida à falta de inervação da musculatura. Há uma tendência à constipação crônica (atônica) e flatulência. O indivíduo é geralmente inclinado a comer em excesso e sem discriminação, no que toca à qualidade do alimento.  Um denteamento total: significa uma hipertonicidade do trato gastrointestinal com uma disposição para a variedade espasmódica de constipação.  Colarete Inferior Esquerdo: Distúrbios do baço e/ou cauda do pâncreas, capacidade de digerir somente pequenas quantidades de alimentos de cada vez, sensibilidade nervosa, melancolia, perfil exigente e ordenado.  Colarete Inferior Direito: Distúrbios das funções metabólicas hepáticas, predisposição a desenvolver hepatotrofias (degeneração das funções do metabolismo de gorduras). Predisposição a doenças do intestino e hemorroidas.  Colarete Ventral: Pletora abdominal (excesso de sangue). Afrouxamento do tônus dos vasos sanguíneos abdominais, enteroptoses, hemorroidas, e hipertrofia prostática, dores sacro lombares, debilidade energética das extremidades inferiores.  Colarete Bilateral: Afrouxamento do intestino delgado e grosso, constipação atônica crônica, disbacteria (falta de bactéria), flatulência e opressão, os órgãos e as funções dos setores adjacentes devem ser examinados.  Colarete Quadrado: Sistema nervoso simpático constitucionalmente debilitado, incurabilidade.  Colarete Ondulado: Tônus debilitado da musculatura intestinal, opressão de catarro, flatulência e dispepsia, se a zona estiver escurecida causa cefaleias e dores nas pernas.  Colarete Pretuberância Local: Quando acompanha por uma rarefação (fibra dissolvida) e acinzentamento do estroma inferior, sugere uma tendência diverticuloses.  Uma PRETUBERÂNCIA local mais interna sugere uma debilidade dos intestinos, devido a falta de nutrição e provisão nervosa, se a rarefação toma a forma de criptas ou lacunas favo de mel, pode-se suspeitar de uma região intestinal muito susceptível à infestação parasitária.  Colarete Denteamento Local: Deve-se dar especial atenção a quaisquer sinais que aparecem nos setores da íris em questão, são sinais hereditários indicando distúrbios da circuidade nervosa autônoma, se houver espasmo intestinal persistente, poderá ser uma pressão de um tumor no órgão vizinho.  Colarete Denteamento Frontal: Indica um prolapso no cólon transverso.  Colarete em Zig Zag: Indica distúrbios motores espasmódicos da seção relacionada à musculatura intestinal.  Colarete Zig Zag Frontal: Pode-se excluir história familiar de neuroses, estando ansiosos, fobias e mudança brusca de humor.  Colarete Zig Zag Ventral: Caso seje encontrado na seção ventral exclui-se espasmofilia sigmoide/retal e flatulência.  Colarete Zig Zag Parcial: Adjacente ao campo de reação do fígado na íris direita sugere constipação alternada com diarreia, se estiver adjacente ao campo de reação do baço na íris esquerda, observam-se com frequência alterações de apetite.  O espasmo parcial do colarete: deve-se sempre chamar a atenção para o setor adjacente da íris ou campos de reação congestão ou insuficiência do canal linfático, no caso de reação do campo cardíaco, na íris esquerda, deve-se explorar o risco da coronária, esclerose coronária e isquemia.  Colarete Hipoprástico: Ou fino, em forma de fio, é evidência de um sistema nervoso sensível e delicado.  Colarete Duplo: Ou traço paralelo, tendências psiconeuróticas e psicossomáticas, é hereditário.  Colarete Ausência Setorial: Inibição de síntese enzimática no trato digestivo e fraca absorção de vitaminas, especialmente da vitamina A.  Colarete Funil: Ausência setorial ou abertura é indício de fragilidade muscular e de ligamentos, se aparecer na região cardíaca, poderá haver debilidade ou deslocamentos de miocárdio. Defina todos os tipos de Radis Solaris. RADIS SOLARIS E SEUS SIGNIFICADOS 1) Radis Solaris Majors – Radis Solaris começando pela pupila para a área mental indica: enfraquecimento da área cerebral. 2) Radis Solaris cruzando s.n.a. – Radis Solaris atravessando o sistema nervoso autônomo hipoatividade desse sistema (é considerado um sério sinal). 3) Radis Solaris Majors SNC – Radis Solaris radiando a pupila em direção ao órgão indica: diminuição da função do órgão causado por enfraquecimento do SNC. 4) Radis Minors (SNC) – Radis Minors radiando da pupila em direção à zona do estômago indica: enfraquecimento do sistema nervoso central e atrofia muscular intestinal. 5) Radis Solaris (SNA) – Radis Solaris radiando do SNA indica: diminuição da função dos órgãos ou áreas causadas pelo enfraquecimento do SNA com dispersões tóxicas. Defina Mancha Psórica. A mancha psórica ou hiperpigmentação é um sinal que aparece na íris sem que haja destruição de suas fibras. Indicam topograficamente áreas teciduais menos resistentes, que acumulam material tóxico, proveniente de substâncias químicas. Este sinal somente pode clarear com tratamento de desintoxicação, porém é permanente. É causado principalmente por pesticidas, fertilizantes, solventes e tinturas, amplamente disseminados no nosso meio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário